segunda-feira, 25 de outubro de 2010

ONE e Bill e Melinda Gates, como é que é? Capítulo II

Acabei de me 'desinscrever', em sinal de protesto, da lista da One.org, depois do débacle da iniciativa "Living Proof" (ver post), onde Bill e Melinda Gates vieram dar notícias positivas sobre o combate à fome (já de si estranho considerando que há cada vez mais pessoas a passar fome) e depois de perceber que as perguntas dos cibernautas a este casal polémico desapareceram magicamente do site.

A One mantém ligações demasiado íntimas com a Bill&Melinda Gates Foundation, uma fundação pseudo-filantrópica muito poderosa com tentáculos um pouco por todo o mundo em desenvolvimento e um cadastro tudo menos limpo, incluindo e.o. o investimento em grandes farmacêuticas, empresas petrolíferas e recentemente até o gigante químico Monsanto.

Outras pessoas fizeram o mesmo, desencadeando uma mini-ciberacção a denunciar a cumplicidade da One.org com o terror das Revoluções Verdes impostas em África e Índia, com a mensagem:

"I'm unsubscribing from your mailinglist for as long as One maintains its relationship with the Bill and Melinda Gates Foundation, an active supporter of the Green Revolution, which we now know consisted essentially in the importation and imposition of American-style chemical- and fossil fuel-dependent agricultural production methods in the Third World. The Gates Foundation does not seem the least bit phased by the failure of the Green Revolution and is calling for a second one, which, judging by the Foundation's major investment in Monsanto, will involve the imposition of monocultures of hazardous genetically modified organisms. I cannot support your campaigns knowing they might, inadvertently or not, contribute to the destruction of our food heritage, the erosion of food sovereignty in developing countries and the tragic downfall of small-scale farmers."

Se estas ligações perigosas também te preocupam, desinscreve-te da lista da One.org, denunciando os seus interesses escondidos ou deixa um comentário no site, aki.

Sem comentários: