sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Comissão Europeia recebe cabaz cheio das promessas vazias dos transgénicos
















Este Natal a Comissão Europeia recebe um cabaz cheio das promessas vazias dos transgénicos..

ALIMENTOS SAUDÁVEIS E SOLIDÁRIOS TAMBÉM PARA OS MAIS FRÁGEIS


Hoje às 10 da manhã, em frente à representação da Comissão Europeia (CE) em Lisboa, a Plataforma Transgénicos Fora e a Quercus distribuíram cabazes solidários para realçar o direito a uma alimentação saudável e entregaram igualmente um simulacro de prenda natalícia à CE composta por inúmeros "alimentos" transgénicos indesejáveis.

Está cientificamente estabelecida a relação entre pobreza e falta de saúde/longevidade,(1) pelo que o direito a escolher e comer o que é mais saudável torna-se particularmente crucial no caso de grupos vulneráveis da sociedade, como as crianças, os idosos e os mais desfavorecidos. A representar cada um destes estratos sociais associaram-se a esta acção pública a Associação Verdes Anos, uma escola de educação livre, a ANAI, Associação Nacional de Apoio ao Idoso, e a CASA - Centro de Apoio ao Sem Abrigo. As três entidades receberam cabazes de alimentos sustentáveis sem transgénicos, num gesto de reconhecimento da importância desta escolha.

A Comissão, por seu lado, recebeu os símbolos do falhanço da engenharia genética alimentar: alimentos que ninguém quer, sem uma rotulagem que permita escolha, com potencial intrínseco para contaminar a restante produção e, desta forma, tornar mais caro tudo o que não seja transgénico (devido aos complexos programas de monitorização e segregação necessários para evitar a poluição genética). No futuro, mantendo-se as tendências e regras actuais, cada vez menos pessoas poderão pagar para comer sem transgénicos. Ainda mais grave, os portugueses não estão sequer na posse de conhecimento que lhes permita fazer uma escolha informada: segundo o Eurobarómetro de 2010 Portugal é o país menos familiarizado com o assunto de todos os Estados Membros, apenas ultrapassado por Malta.(2)





Susana Fonseca, presidente da Quercus e porta voz desta acção, clarifica: "O direito a uma alimentação saudável é tão central ao nosso bem estar que faz parte da Declaração Universal dos Direitos do Homem. Ao aprovar transgénicos sobre os quais pendem pesadíssimas dúvidas de segurança, a Comissão sabe que põe em risco – de uma forma irresponsável – sobretudo aqueles que não conhecem ou não conseguem proteger-se. Mesmo a minoria da população que abrange os consumidores informados e com poder de compra fica impotente perante a falta de rotulagem. O sistema neste momento protege os interesses económicos que fomentam os transgénicos, em detrimento dos direitos dos consumidores."

Note-se que foram este mês entregues à Comissão Europeia em Bruxelas um milhão de assinaturas por uma moratória à introdução de transgénicos na União. Os europeus procuram alimentos realmente sustentáveis, de produção biológica, compatíveis com a protecção do ambiente e biodiversidade e ainda um elevado nível de saúde pública. Os transgénicos representam um grande e infeliz passo na direcção oposta.
















(1) – Ver por exemplo artigo em www.tinyurl.com/wolfson1999
(2) – Consultar pg. 84 do Eurobarómetro "Europeus e Biotecnologia em 2010 – Ventos de Mudança?" disponível em www.tinyurl.com/eurob2010


Para mais informações: 93 778 8471

Mais de 10 mil cidadãos portugueses reiteraram já por escrito a sua oposição aos transgénicos.


quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Um milhão de europeus finalmente tiveram uma palavra a dizer sobre OGM

Hoje é entregue a primeira petição no âmbito da recém-criada Iniciativa dos Cidadãos Europeus.

Arranjar um milhão de assinaturas para pedir um futuro livre de organismos geneticamente modificados acabou por ser mais fácil do que conseguir que a Comissão Europeia legitimasse a petição. Por várias vezes a CE tentou complicar este mecanismo de participação directa. Mas Avaaz, Greenpeace e os europeus preocupados com a incursão silenciosa dos produtos OGM não desistiram e o Comissionário Dalli vai ter que ir receber a petição em cima do pavimento de arte 3D criado à porta do edifício da Comissão.

A luta não acabou: agora temos que garantir que Dalli e a Comissão nos ouçam e façam prevalecer as nossas preocupações sobre os interesses da indústria agro-alimentar. Fiquem atentos!

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Urgente! Defende o teu direito de ser ouvido, defende a Iniciativa dos Cidadãos Europeus.

Socorro! A Comissão Europeia está a tentar soterrar uma das poucas reformas democráticas que podiam equilibrar a balança de poder entre os poderosos interesses instalados e a vontade dos cidadãos europeus. Atrás de portas fechadas, burocratas europeus estão neste momento a complicar o mecanismo da recém-criada Iniciativa de Cidadãos Europeus, de forma a diminuir ou mesmo aniquilar a sua influência nas decisões políticas.

Um pouco por todo o mundo desenvolvido estamos a assistir a uma erosão rápida dos nossos direitos cívicos e humanos, pelos quais homens e mulheres lutaram durante séculos e alguns dos quais só estamos a gozar desde a 2ª guerra mundial. Na corrida para assegurar os últimos recursos do planeta, uma elite de empresas grandes e governos de países ricos precisam de abafar e deslegitimar os inevitáveis protestos à pilhagem e destruição do bem comum. A tentativa de desacreditar os movimentos sociais durante a Cimeira da Nato em Lisboa é apenas um de muitos exemplos da manipulação das massas que caracteriza o modo de governar actual.

>>ouvir entrevista à cineasta Raquel Freire, testemunha do cerco policial e pressão psicológica a um grupo de manifestantes no desfile do Sábado passado:

Não deixa passar em branco este atentado flagrante ao direito dos cidadãos de se fazerem ouvir junto dos políticos que elegeram!

Assina a petição para proteger a Iniciativa de Cidadãos Europeus, uma das poucas vias que nos restam para participar nas decisões que nos afectam a todos.


..

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Get the picture, earthlings! The eARTh project.

Below are some of the pictures captured at almost 700 km outside our tortured atmosphere, of giant community art projects that hope to remind us of the fact that we are living on a fragile planet.

In New Delhi, India, 3.000 students and teachers joined aerial artist Daniel Dancer to form an enormous elephant with rising seas below to ask world leaders to not ignore the "elephant in the room":


In the USA, citizens of New Mexico showed how the Santa Fe River bed could look if there was still water running through it:

In Cairo, artist Saragh Rifaat and citizens from Egypt created the Solar Scarab - praying for an energy revolution:
In Delta del Ebro, Spain, citizens created the face of a young girl who wants the Delta to survive the threat of climate change:


earth350.org

Balanço da operação “Alta visibilidade, forte ostensividade, tolerância zero”

Do nosso correspondente em Lisboa, onde o estado de sítio já foi levantado

O comandante João Capacete faz um balanço extremamente positivo da operação de segurança para a Cimeira da Nato:

- Com o empenho de todas as valências da GNR conseguimos selar as fronteiras terrestres, marítimas e aéreas e impedir cerca de 200 activistas, entre eles palhaços, objectores de consciência, pessoas com roupas pretas na mala e pessoas que apenas confessaram que iam à contra-cimeira, de entrar no nosso país.
- Colocámos cerca de 8.000 efectivos da PSP nas ruas de Lisboa (tivemos que trazer alguns de outras cidades, onde não prevíamos distúrbios). Nas situações de maior perigo havia um agente para cada três indivíduos potencialmente desordeiros e nas situações de menor perigo tínhamos cerca de 20 agentes para cada sujeito.
- A operação deu para ensaiarmos técnicas de vigilância com câmaras, pois obtivemos uma autorização especial do governo. Também fizemos algum trabalho de intercepção das comunicações mas devido àquele episódio das escutas isso não foi tornado público para não irritar os VIPs.
- Conseguimos que sessenta novos elementos do Corpo de Intervenção fizessem o curso de "Ordem Pública" a tempo de participarem na Cimeira. Podem ver no video como ficaram bem preparados.
- Com a ajuda de vários jornalistas e jornais menos atentos, conseguimos assustar os portugueses com rumores de terroristas a caminho do país e baralhámos as notícias de forma a que ninguém soubesse exactamente qual a diferença entre um terrorista, um anarquista, um adepto Black Bloc e um activista.
- Conseguimos material novo para a PSP à pala da Cimeira. Os blindados, as 45 viaturas anti-motim, as viaturas destinadas a transporte de detidos, um canhão de água, uma viatura pesada e seis ligeiras para remoção de obstáculos, num valor de 4,5 milhões de euros, ainda não chegaram ao país, mas vão dar jeito para conter as desordens que se prevêem com isso da crise.
- Mesmo sem canhão de água e viaturas para detidos, conseguimos apreender 42 desordeiros que estavam a bloquear um dos acessos à Cimeira de maneira pacifista. Ainda os detivemos umas 12 horas para assustar os outros activistas, mas como não arranjamos mais pretextos para prolongar-lhes a estadia na prisão, foram soltos ainda no Sábado.
- Com alguma pena dos camaradas treinados para combater situações de violência concertada, os protestos foram todos pacíficos e não houve nenhum acto de vandalismo nem houve motins. Não conseguimos dar de caras com um único Black Bloc. Estamos obviamente preparados para muito mais e temos equipamento de sobra, por isso estamos a fazer figas para que a próxima reunião da Organização Mundial do Comércio seja em Lisboa!

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Bem-vindos a Lisboa, a pérola da Nato.

Hoje começou finalmente a Cimeira da Guerra e muito apropriadamente a cidade de Lisboa assumiu as mecânicas de um estado de sítio para o qual foi cuidadosamente preparada durante os últimos meses pelos governantes do país e agentes da "autoridade".

Com a ajuda de jornalistas menos escrupulosos e jornalistas apenas ignorantes (artigos DN por Valentina Marcelino, artigo Sol, e.o.) - inoculando o público para tolerar as medidas e despesas aplicadas para travar supostas ameaças de terroristas da Al-Qaeda, anarquistas, "outros grupos de esquerda" ou, porque não, "pessoas vestidas de preto"- e gestos dramáticos como a suspensão unilateral do Acordo de Schengen, a criação de uma espécie de "Green Zone" na Expo e o cancelamento do concerto dos Arcade Fire, o aparato de segurança da Cimeira deixou claro que Lisboa dá as boas-vindas aos senhores da guerra, mas não estende o mesmo gesto aos senhor@s da paz.

Duas centenas de activistas foram impedidos de entrar em território português, sem uma boa justificação, violando o direito à liberdade de opinião, de reunião e de expressão consagrado na carta internacional dos direitos humanos. Entre os activistas proibidos de pisar território português, estão os palhaços da Clown Army, um dos melhores exemplos de protesto criativo não-violento e um grupo de objectores de consciência da Finlândia.

Deslegitimando movimentos reconhecidamente pacifistas, as autoridades conseguem muito eficazmente diminuir a participação de activistas bem preparados, organizados e mediáticos e tentar assim desorientar o protesto contra a Nato, abrindo caminho para o uso de medidas repressivas indiscriminadas.

Não se trata do primeiro incidente de perversão da tradicional hospitalidade portuguesa, mas é certamente o mais descarado.

Para perceber como chegamos a este clima fascista, passemos de relance os principais episódios negros na história de Portugal-anfitrião de pessoas-mais-importantes-que-nós:
  • 2003: a Cimeira das Lajes - não obrigou ao corte de trânsito nas ruas de Lisboa nem deu direito a ponte mas ditou a guerra do Iraque, ligando para sempre Portugal a este crime irreparável. Ajudou também a salvar a Nato da extinção, empenhando-a numa guerra com contornos místicos que ecoam as cruzadas, onde o inimigo, para além do "herege" muçulmano, é toda e qualquer pessoa não conformada.
  • 2007: a Assinatura do Tratado de Lisboa - foi certamente caro, mas como só estavam presentes europeus não foi preciso paralisar a cidade..
  • 2009: a Cimeira Ibero Americana - aqui contámos com as eminentíssimas presenças de senhores ultra-poderosos como o Obama e o secretário-geral da Nato, por isso já deu para brincar com blindados e condicionamentos de trânsito e ensaiar as técnicas dos SWAT. Também foi nesta cimeira que se instituiu a tradição da tolerância de ponto em dias de visitas de super VIPs.
  • já em 2010: a Visita do Papa - atenção, está nesta lista não por se tratar de um senhor da guerra (espero bem que não) mas porque a histeria securitária do governo português atingiu novos patamares: uma cidade paralisada, refém das decisões tomadas pelos seus governantes para garantir a segurança de pessoas que, num mundo sem guerras e desigualdades, podiam simplesmente usar os transportes públicos, como fazem os primeiros ministros de países como Holanda, Dinamarca e Suécia. O que podia ter sido um dia santo para quem gosta do Papa foi transformado num dia de barulho infernal de helicópteros e sirenes, com a cidade cortada ao meio durante mais de uma hora.
Três coisas a reter olhando para a lista de eventos histericamente apadrinhados pelo governo português:
  1. Proteger uma elite das imaginárias massas raivosas num mundo onde o fosso que separa os ricos dos pobres se aprofunda é muito caro. Só para a segurança dos amigos da Nato o estado português vai gastar perto de dez milhões de euros. A visita do Papa custou uns estimados 37 milhões de euros por dia, incluindo, é verdade, três altares descartáveis :-)
  2. Por outro lado, os gastos em segurança ajudam a alimentar um mercado que emergiu com a guerra do Iraque, o da segurança doméstica (home security), estimado em muitas centenas de milhares de milhões de euros com um crescimento anti-cíclico (mais crise, mais mercado) e que está a dar fôlego às sofridas bolsas financeiras. Os países ricos com mercados saturados encontram neste novo mercado de choque a fórmula para manter o crescimento a vários dígitos que segundo os analistas mais sensatos deveria ser uma coisa do passado.
  3. A cereja em cima do bolo: os produtos e serviços deste mercado são largamente financiados pelos contribuintes!
Entretanto fui dar uma volta por Lisboa. As ruas estão desoladas e reina um silêncio que mais faz lembrar um qualquer Domingo não fosse pela presença de coletes amarelo fluorescente em cada esquina, bandos de agentes da PSP com postura conspiradora em cada bairro, umas barreiras rua sim-rua não para condicionar o pouco trânsito que se verifica e o zunzum de fundo dos helicópteros. Por obediência ou medo, os portugueses refugiaram-se nas suas casas. Nas ruas uma em cada duas pessoas é agente e a outra turista (com ar ligeiramente perplexo).

Um mercado que lucra exclusivamente com as calamidades e estados de sítio, precisa de investir continuamente na promoção de um mundo inseguro. Portugal, o eterno bom aluno, conseguiu. Lisboa acatou o recolher obrigatório, um circo pago com o nosso dinheiro, para proteger pessoas-mais-importantes-que-nós que viram o futuro e decidiram que está repleto de perigos indefinidos que merecem medidas de segurança mais elevadas e a gradual limitação de direitos cívicos consagrados, como a livre expressão de ideias, a livre reunião para as discutir e o livre protesto não-violento para as exigir.


Bem-vindos a Lisboa, bem-vindos ao admirável mundo novo.

..

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Uma das maiores mobilizações de massas contra o transporte de lixo nuclear



Dezenas de milhares de pessoas participaram no protesto contra o mais recente transporte de lixo radioactivo entre França e Alemanha, o 12º comboio nuclear desde 1995 e tantas vezes contestado. A causa mobilizou um grupo tão grande e heterogéneo (a manifestação em Dannenberg, perto do fim do trajecto, mobilizou mais de 50.000 pessoas, um recorde no protesto anti-nuclear) não só porque esta caravana sinistra é um verdadeiro Chernobyl sobre rodas em termos de radioactividade e risco de acidente, como também porque Angela Merkel demonstrou querer suspender a decisão do seu antecessor de acabar progressivamente com a energia nuclear a partir de 2020.

Milhares de activistas, incluindo da Greenpeace, conseguiram bloquear a linha de comboio em vários momentos ao longo do trajecto por onde segue o carregamento de resíduos nucleares. Estão a ser precisos perto de 20.000 (!) agentes da polícia e uns 50 milhões de euros segundo a última estimativa para levar a cabo o transporte e até esta hora o atraso já vai em mais de 24 horas. Sete mil pessoas ainda estão a bloquear as vias de acesso a Gorleben, a vila condenada a ser o destino final de mais de mil toneladas de lixo eterno.



Updates no site do Gaia
Indymedia Portugal
Notícia na Ecosfera
Post do Director Executivo da Greenpeace International, presente na manifestação

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

ONE e Bill e Melinda Gates, como é que é? Capítulo II

Acabei de me 'desinscrever', em sinal de protesto, da lista da One.org, depois do débacle da iniciativa "Living Proof" (ver post), onde Bill e Melinda Gates vieram dar notícias positivas sobre o combate à fome (já de si estranho considerando que há cada vez mais pessoas a passar fome) e depois de perceber que as perguntas dos cibernautas a este casal polémico desapareceram magicamente do site.

A One mantém ligações demasiado íntimas com a Bill&Melinda Gates Foundation, uma fundação pseudo-filantrópica muito poderosa com tentáculos um pouco por todo o mundo em desenvolvimento e um cadastro tudo menos limpo, incluindo e.o. o investimento em grandes farmacêuticas, empresas petrolíferas e recentemente até o gigante químico Monsanto.

Outras pessoas fizeram o mesmo, desencadeando uma mini-ciberacção a denunciar a cumplicidade da One.org com o terror das Revoluções Verdes impostas em África e Índia, com a mensagem:

"I'm unsubscribing from your mailinglist for as long as One maintains its relationship with the Bill and Melinda Gates Foundation, an active supporter of the Green Revolution, which we now know consisted essentially in the importation and imposition of American-style chemical- and fossil fuel-dependent agricultural production methods in the Third World. The Gates Foundation does not seem the least bit phased by the failure of the Green Revolution and is calling for a second one, which, judging by the Foundation's major investment in Monsanto, will involve the imposition of monocultures of hazardous genetically modified organisms. I cannot support your campaigns knowing they might, inadvertently or not, contribute to the destruction of our food heritage, the erosion of food sovereignty in developing countries and the tragic downfall of small-scale farmers."

Se estas ligações perigosas também te preocupam, desinscreve-te da lista da One.org, denunciando os seus interesses escondidos ou deixa um comentário no site, aki.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Iniciativa "Um milhão de cidadãos europeus": apoia a moratória sobre OGM

A Comissão Europeia tem sistematicamente colocado os interesses do lóbi OGM e os seus lucros à frente da segurança dos cidadãos europeus. Recentemente e pela primeira vez em 12 anos voltou a aprovar o cultivo de mais alimentos transgénicos, ignorando os protestos e moratórias nacionais de vários países europeus.

A petição para uma moratória europeia já chegou ao milhão de assinaturas! Mas faltam assinaturas de eleitores portugueses para preencher as quotas obrigatórias.

Por favor ajudem para que esta primeira grande petição europeia não falhe por falta de apoiantes portugueses!!

Assinem se não o tiverem feito já e espalhem a mensagem. O continente europeu agradece!!



clica aqui para juntar a tua assinatura

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Bill e Melinda Gates, como é que é?

ONE.org e Bill e Melinda Gates, como é que é?

Sem vomitar, colocar uma pergunta no site da One (que não está à espera de grande controvérsia) ao monsieur e madame casal bilionário, cujo dinheiro mesmo sem fundação já podia ter resolvido toda a fome no mundo, mas não o fez, pois é mais importante perpetuar um sistema em que as grandes multinacionais (de preferência americanas) lucrem com o desenvolvimento lento e a dependência resultante dos países do Sul...

Eu coloquei a seguinte questão:

"Will you stop investing in Monsanto, with a history of blatant disregard for the wellbeing of farmers worldwide + appalling environmental track record? Your strong connections to Monsanto result in a huge conflict of interests + cast serious doubt on why you fund agricultural development in Africa."

Está um pouco telegráfico, porque a One obriga a ficar por 300 caracteres (afinal, devem suspeitar qualquer coisa).
Podes colocar outra pergunta inteligente (há tantas! inspira-te aki, aki e aki e este artigo ácido vale a pena) ou votar nas perguntas já lançadas.

Ajuda a desmascarar este organismo gigante e perigoso disfarçado de filantrópico, pois é mais poderoso que muitos países... e mais rico que quase 90% dos países do mundo.

Wie gates?

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Vota no Orçamento Participativo

Câmara Municipal de Lisboa - Orçamento Participativo

Para quem gostava de ver nascer um centro social num dos muitos espaços lisboetas desaproveitados, para incubar projectos associativos sociais, eco-sociais e culturais, fornecendo uma base de trabalho a grupos grassroots com boas iniciativas mas sem abrigo e um local de convívio para todos os lisboetas que acreditam no associativismo, tu que estás a ler este post talvez?, podes votar no projecto 798...!

Usa o link acima para aceder à página do orçamento participativo da cidade de Lisboa.

Claro que há mais projectos dignos do teu voto :-) Podes ir ver o da Horta Popular da Graça (785) ou da Casa das Mães (764) e decides certamente em consciência. Pá, mas evita votar num parque de estacionamento, acredita que a Emel já faz por isso, não precisam de nós...

bons votos!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Eu vou...

.. ao dez dez dez, de bicicleta com a minha filha a Belém, participar num de vários milhares de eventos organizados um pouco por todo o mundo para pedir (e ser) uma solução para travar o aquecimento global.

Escolhe o teu evento aqui:

View Actions at 350.org

Ou então aparece com a tua bicicleta às 15.30 para a actividade organizada pela Quercus em Belém!

Stay cool :-)

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Dia de acção internacional por um mundo livre de OGM



O dia internacional da luta contra os transgénicos e as patentes sobre a vida foi criado pela Via Campesina, é celebrado um pouco por todo o mundo e assinala também o aniversário do assassinato pela polícia brasileira de 19 camponeses do Movimento Sem Terra em 1996.

Ninguém pediu para comer transgénicos. Ninguém precisava de os comer. Quem beneficia a curto prazo com os transgénicos são uma dúzia de gigantes químicos e outra dúzia de produtores de aditivos para fastfood e rações para gado. Quem perde a médio prazo? Todos!

Vem dizer um claro NÂO OBRIGADO!

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Check out Act Now - Change the Future | Greenpeace International

Act Now - Change the Future | a message from Greenpeace International, who still has 4 activists stuck in a Danish jail with no right to bail, visits from family or even to know their charges.

World leaders walked away from the global summit in Copenhagen without a treaty that will save the climate. The US, EU and Australia put short-term national interests before the fate of our planet. Together, we must let leaders know that we expect nothing less than an effective agreement.