quarta-feira, 28 de maio de 2008

Resultado do apelo dos Ambientalistas da Amadora: 9.000 árvores por 9.000 carros

(mail chegado hoje para todos os que colaboraram no apelo)

date 27 May 2008 14:58
subject Re: 9.000 razões para não usar o transporte público

Olá,

Obrigado por teres dedicado algum do teu tempo a escreveres aos responsáveis do Dolce Vita Tejo.

Gostaríamos de te informar que após dezenas de e-mails e duas notícias publicadas na RTP e no SOL, conseguimos ter uma reunião com o Director de Recursos Humanos e Desenvolvimento da Chamartín Imobiliária e dois consultores ambientais do projecto.

A reunião foi muito construtiva e esclarecedora. Foi notório o empenho e determinação para que o projecto possa minimizar e compensar os danos ambientais causados. Quanto às 9000 árvores, foi-nos dito que está a ser feito um estudo sobre o assunto e existe abertura para plantar o dobro ou mais se o estudo assim indicar. Não pretendem ficar apenas pelo simbólico de 1 árvore por lugar de estacionamento. Insistimos numa solução local, isto é, a plantação das árvores o mais perto possível do centro comercial. E de preferência árvores de fruto. Os parqueamentos para bicicleta estão já assegurados. Outras sugestões que fizemos: criação de ciclovias que liguem o centro comercial às localidades próximas, percursos pedestres com o mesmo objectivo, acessibilidade por transportes públicos, uma horta pedagógica no interior ou exterior do centro para fins de educação ambiental. Foi-nos dito que o centro terá painéis solares e aproveitamento das águas da chuva para rega.

Mais uma vez agradecemos o teu empenho e dedicação. Daremos mais novidades assim que as mesmas surgirem.

Ambientalistas da Amadora

----
to geral@dolcevita.pt
cc ambientalistas_da_amadora@aeiou.pt
date 21 May 2008 17:51
subject 9.000 razões para não usar o transporte público


Exmos. Senhores,

Tomei conhecimento do vosso projecto imobiliário para a Amadora, onde estão prestes a implantar o maior centro comercial da Península Ibérica.

Entre todos os benefícios por vós assinalados, o facto de possuir 9.000 lugares de estacionamento, alimentados por enormes redes viárias, parece merecer particularmente o vosso orgulho.
Lamento esta ênfase no uso do veículo particular, cada vez mais dúbio face às evidências dos efeitos da poluição do ar, água e sonora, dos gases com efeito de estufa e do entupimento dramático da cidade.

Venho por isso sugerir que a Dolce Vita empreenda acções de mitigação, e em última instância de compensação, do impacto ambiental e social deste centro comercial (gasto de energia e água, poluição directa e indirecta, perda de zonas de convívio públicas, diminuição do tecido empresarial convencional e engarrafamento das redondezas), tal como já é prática comum em qualquer empresa de dimensão considerável:

- Garantia de facilidade e promoção do uso dos transportes públicos para o CC.
- Limitação do número de lugares de estacionamento em prol de espaços públicos mais solidários.
- Reserva de espaços de estacionamento para bicicletas.
- Criação de um percurso pendular de e para o CC, um 'Bus Dolce Vita'.
- Criação de espaços verdes com razoável biodiversidade dentro e em redor do CC. Relembro que é perfeitamente possível criar ambientes vivos 'indoors'.
- Compensação dos efeitos indirectos dos lugares de estacionamento com a plantação de árvores na Amadora.
- Promoção de iniciativas para o bem comum na Amadora: criação de emprego, apoio ao empreendorismo, promoção de comida saudável nos restaurantes do CC, incentivos à reciclagem, divulgação da arte e cultura locais, etc

Certa de que o pensamento 'sustentável' já chegou à Amorim, subscrevo-me,

atentamente

Lanka Horstink
Alfama, Lisboa

Sem comentários: